Arquivo | MARKETING E CONTABILIDADE RSS feed for this section

Os programas de qualidade para empresas contábeis e os seus benefícios

23 out

Por Anderson Hernandes

Nos últimos anos, muitas empresas de serviços contábeis compreenderam sobre a importância de investir em programas de qualidade dos seus serviços.

Assim, elas buscaram o aperfeiçoamento da qualidade dos seus serviços por adotarem programas de qualidade, tais como ISO 9001 e PQEC, por exemplo. Mas quais são os benefícios das empresas adotarem tais sistemas?

Destaco alguns deles:

– Implementação de “cultura de qualidade” na empresa ?
Um programa formal de qualidade é capaz de comprometer melhor a equipe

– A certificação torna “tangível” a diferenciação da empresa ?
Os clientes são visuais, e um certificado torna evidente na mente deles que a sua empresa é diferente.

– Dá maior clareza nos processos internos ?
Toda certificação de qualidade está ligada ao mapeamento de processos. Com isso, passamos a conhecê-los melhor e temos maiores condições de aprimorá-los.

– Melhora a qualidade da equipe ?
A certificação obriga o aprimoramento contínuo da equipe e em conseqüência disso melhora a sua qualidade.

– Torna o aprimoramento como base do futuro ?
A ISO 9001 busca a melhoria contínua, e com isso, contribui para a conscientização de buscar sempre o melhor. Isso eleva a empresa para um nível mais elevado.

– Facilita o processo de venda dos serviços contábeis ?
Ao iniciar uma negociação, a certificação de qualidade simplifica o processo de venda, pois contribui para a credibilidade da empresa.

– Gera um compromisso de atender o padrão estabelecido ?
Naturalmente nenhuma empresa que alcança uma certificação deseja perde-la no futuro, assim estabelece-se um padrão mínimo desejável para o futuro.

– Propicia o prazer da conquista ?
Conquistar um objetivo que poucos alcançaram gera prazer, satisfação pessoal e motiva a empresa a conquistar ainda mais.

Com plena certeza, empresas contábeis certificadas são beneficiadas de diferentes maneiras, portanto, invista na busca da excelência e tenha certeza que o resultado obtido compensará em muito o esforço despendido.

Anúncios

O que fazer quando o escritório contábil evolui, mas possui clientes que tem mentalidade "tradicional"?

28 set
Na maioria das vezes o escritório contábil começa pequeno, com uma pequena carteira de clientes que, muitas vezes são micro empresas e quando muito pequenas empresas.

Neste caso o contato quase sempre se dá entre o próprio contador proprietário do escritório com o proprietário da empresa. Os honorários são muitas vezes pagos em dinheiro e até mesmo com cheques de terceiros (quase sempre pré datados e não raro, sem fundos), ou, indo mais além, há a prática do escambo, ou seja, troca-se um serviço por outro.

Mas, no decorrer do tempo tanto o escritório contábil quanto a empresa podem crescer e modernizar-se. Geralmente quando a empresa cresce, pode ocorrer de ela mesma contratar um contador e não mais terceirizar a contabilidade, ou terceirizar apenas uma parte dela. Neste caso, se o contador não acompanhar a evolução da empresa mudando o velho conceito de “guarda livros” por “Consultor”, agregando valor a seus préstimos, com certeza perderá o cliente.

O contrário também pode ocorrer ou seja, o escritório contábil cresce e se moderniza, o contador que fazia quase tudo, torna-se um empresário contábil e passa a delegar tarefas a seus subordinados criando uma equipe e vários setores dentro do escritório para atender a expanção dos negócios e da carteira de clientes que passa a atender a pequenos, médios e até grandes clientes e, muitas vezes não se faz mais todo o “pacote” de serviços, mas somente a contabilização, ou somente a parte de folha de pagamento, etc. Os honorários e os serviços antes combinados informalmente, dá lugar à cobrança bancária e ao “Contrato de Prestação de Serviços Contábeis”.

O que fazer neste caso? Manter apenas os clientes rentáveis e que evoluíram e simplesmente descartar os clientes antigos? Bem, em recente artigo publicado no site fiscolegis, o autor comparou esta relação como um namoro ou casamento, onde, havendo divergência há a separação ou o divórcio, ou, falando na prática: Se o escritório cresceu e o cliente não se adaptou ao escritório, simplesmente dispense-o.

Mas será que é simples assim? Dispensar aquele cliente que, quando você era dono de um pequeno escritório estava lá, pagando seus honorários em dia e muitas vezes te livrando do sufoco das contas? Será que nosso crescimento profissional nos tornará capitalistas frios que que simplesmente descarta aquilo que não mais os interessa?

Neste caso, o mesmo valeria para os “colaboradores” que é a forma atual de se chamar os empregados, ou seja, enquanto se está produzindo, tudo bem, à partir da certo tempo, subustitui estes profissionais, por estagiários, por exemplo, que custam menos e podem fazer as mesmas tarefas graças aos programas de computadores.

Infelizmente esta é a realidade, pois qualquer empreendimento que visa o sucesso não pode se ater a amarras que o impedem de progredir e acompanhar o mundo. Neste ponto concordo com o autor do artigo.

Por outro lado, será que aquele cliente antigo, que paga em dinheiro vivo ou cheque e que não gosta de usar e-mail deve mesmo ser dispensado? Este pequeno cliente não poderia, por ventura indicar, ou mesmo ter indicado outros clientes maiores que foram ou serão pilares do meu crescimento? Será que o escritório, agora grande e moderno, não poderia absorver esta excessão? Pessoalmente acho que sim, mesmo tendo um custo maior eu preferiria manter este cliente fiel. Pode ser uma visão romântica e antiquada, mas creio em valores como a ética e a lealdade e atualmente tem faltado isto na sociedade. Há a vontade de se ganhar mais e mais dinheiro, mas de que adianta passar a viver a vida contando dinheiro se não ter como aproveitá-lo, e, muitas vezes o cliente antigo, não é apenas um simples cliente, pode ter se tornado um amigo e, amigos não são descartáveis.

Lojas de rua e de shopping exigem Marketing diferenciado

10 set
O profissional de contabilidade tem participação importantíssima dentro do processo de marketing, seja na etapa inicial, na de desenvolvimento, execução, controles e na de resultados. O contador e sua equipe possuem os dados que a empresa precisa e abastecem o projeto com informações vitais como os números históricos da empresa, os números atuais e projeção dos seus ativos e passivos. Estes numeros contém estudos sobre receitas, despesas e resultados por produtos, segmento, distribuidor, equipes de força de vendas, região, controles de estoques e investimentos.

Dentre as inúmeras funções do Marketing numa empresa, com certeza, está a escolha do ponto, pois este deve estar em sintonia com o público alvo conforme podemos conferir na reportagem Lojas de Rua e de Shopping exigem Marketing Diferenciado, assinada por Guilherme neto publicado no site Mundo do Marketing. O caminho do link está no título da reportagem. Vale a pena conferir!